Páginas

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Nauseas III


Adoraria ver um papai Noel nú pela rua, dizendo HO HO HO feliz natal!! com sorriso sincero de um corpo expurgante, e distribuindo belos presentes de sonhos à todas as pessoas que gostam de sonhar e que são auto confiantes... será que os presentes seriam aceitos??
Tem um pouco mais de uma semana que não posto, ultimamente tenho me sentido nauseada com o rítmo natalino, além do mais tudo é empurrado para eu deglutir com voracidade sem que eu possa dar o meu consentimento, sou estuprada sem permissão pelas chesters, amigos socultos, roupas de papai noel, presentes enfadonhos, bolas de acrílico, lantejolas, famílias, purpurinas....
Pense positivo Mariana, não seja tão nausente e má (será que sou má) consigo mesma, natal é uma época boa, paz, solidariedade, amor,  as pessoas são mais unidas, sorridentes, cantantes, zelozas, amigas...Mas será que são? e quanto são?
não! não são! não passam apenas de niilistas dilacerados e frouxos, reinados nas próprias hipocrisias, mercenários capitalistas que se esquecem de si mesmos... se o natal é uma época de reflexão, suponho que toda reflexão deveria servir para uma melhora significativa constante, mas porque será que o Ego reina todos os hemisférios da humanidade desumana?  nem monista ela consegue ser?
Me deturpo então à vocês,  forma que encontro à minha prisão de ventre de enjoos constantes,que assim seja
Feliz Natal!!



segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Riso invertido


O assassinato será um crime contra a sociedade? Quem pode imaginar isso em sã cosnciência?Ah, o que importa a esta numerosa sociedade que haja em seu seio um membro a mais ou a menos? Suas leis, seus modos e cosntumes corromper-se-iam? A morte de um indivíduo alguma vez influiu sobre a massa geral? E após a perda da maior das batalhas, ou seja, após a extinção da metade do mundo, de sua totalidade, o pequeno número de seres que pudesse sobreviver sofreria a menor alteração material? Oh, não! A natureza inteira nada sofreriam e o todo orgulho do homem que acredita que tudo é feito para ele ficaria bem espantado, após a destruição total da espécie humana, ao verificar que nada muda na natureza e que o curso dos astros nem sequer é desviados.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Momento


A lucidez fugiu de mim...por ora estou em transe buscando os meus sentidos para degustar tantricamente, mesmo sabendo que irei degectar posteriormente...

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Encontros...


"Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros."
Clarice Lispector
Um tempo nebuloso com atmosfera quente, gotas d'águas em rítmo intermináveis caindo do céu, dizendo a terra  que  ela precisava ser banhada por um bom tempo...
Num toque de campainha, ele destranca a porta espelhada, (ela nem nota que seu corpo não reflete na porta)
uma ansiedade momentânea percorre pelas veias dela no momento que as mãos dele empurra a porta, o rugir é o único som  perceptível naquele momento, um coração nervoso e uma tranquilidade quase que incômoda espera um abrir...ufa! Ele a recepciona carinhosamente como se fossem velhos amigos se reencontrando depois de uma longa data, a introduz para dentro do seu estúdio musical, cheiro de madeira envernizada paira no ar juntamente com notas, colcheias perdidas naquele encontro quase tímido, sussurando docura ao  tempo...
Num gesto simplório, ele enchuga os pés dela molhados pelas águas correntes que persistem cair fora daquele refúgio. Surge  uma cumplicidade espontânea , num ambiente amistoso há somente ele e ela.
A canção entra no ambiente melodiando o rítmo cardíaco daqueles seres, ele canta para ela com um timbre  doce, entregue a sua arte...Como na música as peculiaridades são refletidas  através das  ondas  invisíveis  como mensagem a sensibilidade, ele revela um olhar sincero e cúmplice, sorriso singelo de uma alma envelhecida....
Entre conversas, olhares quase que perdidos, surge tatos...mãos massageam nucas, costas, coxas, tornozelos, pés... no toque de uma epiderme a outra, se transparece energias enclausuradas de almas frágeis, surge o poder do desejo...pontos chacras são massageados, ele ativa a energia que estava adormecida.
A consciência dela se despertou para a finitude daquele instante infinito, como na melodia ela recebe o maior tom da nota, desvairando a sua lucidez niilista, há algo metafísico que a reflete...(eixo foi centralizado logo em seguida, se encontrando em si mesma)
Na padaria tomaram café quente, tudo se redimiu àquela tarde que parecia vazia à redundante monotonia dos logistas e comerciantes em volta da praça central de um dia insosso pela chuva. Ele e ela agora dialogavam  com suas bocas,  palavras saiam tão naturalmente que era inotável entre as pessoas que entravam e saiam daquela padaria,mas só eles sabiam que havia significância reveladas entre eles. O tempo para os dois já não era o mesmo que percorria pelo tic tac da parede.
Em meio a evasão das pessoas, ele  a deixa na estação de trem, se despedindo...
A água já não batia ferozemente contra o solo de uma terra desgastada naquele momento, ela ao enconstar a sua cabeça na janela do vagão, sentiu a linguagem harmônica daquela tarde vivenciada  pois a  perceber que a vida na sua forma crua era maior que ela mesma...

domingo, 6 de dezembro de 2009

Reluta

Alguém estava me perseguindo, me pus a correr feito louca com medo demasiado,
corri por entre ruas, vielas sem fim, o labirinto parecia que não tinha fim,
passei por prédios vidraçais, casarões neoclássicos choravam pela ferrugem,
ouvia rangidos
gritantes por socorro, mas nem eu e ninguém poderia ajudá-los...
Eu continuava correndo e minha cabeça ficava cada vez mais pesada...e ele persistia
a tentar me alcançar...
Me perseguia ferozemente, sua intenção era de me estuprar, minhas pernas estremeciam, meus músculos estava se desgatando, por uma cãimbra fui vencida pelo cansaço, sem ter aonde me esconder, resolvi encará-lo de frente, minha mente era a minha única aliada naquele instante, o convenceria que meu corpo não era reluzente e nem voptuoso para ser consumido,
parei, virei para atrás, nos seus olhos descobri que realmente estava vencida, só me restava a dizer
-se quiser me comer, que seja com o meu consentimento e não por trás,
ali então em meio da secura da rua , palpebras foram consumidas pelo TEMPO....

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Um Pedido II


Não se apodera de mim deglutindo as minhas víceras,
até porque elas não me pertecem, apenas são
Só é permitido arte, arte ondulares, embaladas penetráveis, amante da cor e da dor.
Abrasivo ácido somente aos metais, sou feita de pele, carne, gordura, osso,
de um tempo cheirarei estrume
Deixe a fonte de luz somente aos vagalumes
Só é permitido ondas dos mares,(dessas que vem e vão)
mãos em minhas nádegas, cheiros indecifráveis,
Desejo demasiado atrofia o corpo, causa artrite, osteopore, longe de mim os "cão guia"
Que o devir seja a minha, a nossa melodia,
seguindo o rítmo de cada estação dia-a-dia
com proezas loucas de tesão.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Indissiocrasia


Nietzsche disse "não há fatos eternos, como não há verdades absolutas"
e confirmando eu digo,  vivemos o que não somos, e somos o que não vivemos....
a vida se repercuti assim, entre cafés, livros, histórias, pessoas...
sinto que a única coisa que salva dos blábláblás nauseantes é o sexo, por um determinado tempo ele faz o indeterminado.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Pergaminho




"Ah, vocês acham que só se constroem casas? Eu me construo e os construo continuamente, e vocês fazem o mesmo. E a construção dura enquanto o material dos nossos sentimentos não desmorona, enquanto dura o cimento da nossa vontade. Por que vocês acham que se recomenda tanto a firmeza de vontade ou a constância dos sentimentos? Basta que esta vacile um pouco, ou que aquela se altere em um ponto e mude minimamente... e adeus nossa realidade! Subitamente nos damos conta de que tudo não passava de uma ilusão nossa."


Luigi Pirandello. Um, nenhum, cem mil. Página 65.

Antropocêntrismo Contemporâneo


Angústia eterna se faz o homem
Dela se faz a incerteza na criação
Animais não vivem por angústia,
vivem pela limitação,
impulsionados apenas são
Será que a vida do homem
necessita de vida?
Negação da arte,
aqui estamos,
valores são quebrados
pois não existe mais verdade,
(e nunca existiu)
como Nietzsche já previa
ludibriação do pensamento
o homem vive a vida
torna contentamento
 em niilismo aqui estamos...
 busca personalizada com personagens
para facetas humanas
ideais corroem concomitante
e traz firmamento.


domingo, 15 de novembro de 2009

Sobre Ciganos...

Hoje um amigo me disse - Mari, você é uma cigana, e não adianta fugir que é mais forte que você. Suas palavras foram tão penetrantes quanto seu olhar que fiquei por um bom tempo ecoando seus dizeres em minha mente. Cigana, Cigana...lembrei-me  de um determinado dia quando era pequenina (deveria ter uns seis ou cinco anos de idade),  estava passando por uma praça qualquer com minha mãe e uma senhora vestida de uma saia amarelo ouro brilhante, sorriso frouxo, cabelos longos, prendidos de qualquer maneira nos abordou, minha mãe sempre foi uma pessoa gentil com as pessoas, é daquelas que não sabe dizer "não", mesmo sentindo indeferida a sua expressão. Lembro nitidamente que sentamos em um banco de madeira na praça, e  essa senhora pegou a mão de minha mãe e começou a ler, falou-lhe várias coisas que agora eu não me recordo, mas que de uma certa forma criou um novo impulso a minha mãe naquele momento, fazendo seus olhos cintilarem, mudando até a cor das suas bochechas, dando ar mais vívido e fresco,  num gesto imediato, ela retirou dentro da bolsa um frasco de perfume colocando na mão da cigana, dizendo-lhe que era a única coisa valiosa no momento que possuia, a senhora aceitou conformemente pelo presente. Levantamos com intuito de irmos  adiante,(minha mãe segura firmemente as minhas pequenas mãos com muita voracidade) antes aquela senhora, franziu o rosto projetando seu corpo, encurvando-o a minha estatura e postou a me olhar, e com dizeres ligeiros para a minha mãe, disse algumas palavras esquecidas por mim, e algo que na época não compreendi e nem dei razão aos sentidos, mas minha mente inconsciênte absorveu alguns sinônimos que hoje eu recordei,(talvez a minha vontade de potência)  -transformará numa mulher indomável aos imortais, disse sorrindo e se despedindo. 
Seguimos em frente pela praça até entrar numa rua,  eu  inclinava a cabeça para atrás, olhava a figura de saia reluzente como o Sol sumir aos poucos nas folhagens esverdeadas das árvores...
Caminhando pela rua, mamãe postou a me dizer firmemente -nunca acredite nos ciganos, são povos maldiciosos, malandros, fazem de tudo para ganharem dinheiro, e eu fiquei cheia de dúvidas, e uma delas  era tentar desvendar o mistério do rubor e  excitação da minha mãe instantes antes na praça, e o  porque as pessoas não gostavam dos ciganos, a primeira eu nunca desvendei, pois atrás de um ser intitulado como minha mãe, havia uma mulher sofrida, com um corpo e alma enclausurados ,  e a  segunda,  deixei ser influenciada pelo senso comum  até a minha vida adulta, sentia um certo medo e repudiação àqueles que se diziam ser ciganos...
Engraçado que tem coisas que ficam na mente e perdura com você até a sua vida atual,  Freud tenta explicar pelas teorias dos subconsciente, como outros pensadores também trazem outras teorias sobre, mas de fato é que incidente ou não eu lembrei dessa históra hoje, coincidência ou não,  mas me identifico muito  a ligação dos ciganos com a palavra liberdade, o povo Cigano é guardião da LIBERDADE. Seu grande lema é: "O Céu é meu teto; a Terra é minha pátria e a Liberdade é minha religião", traduzindo um espírito essencialmente nômade e livre dos condicionamentos das pessoas normais geralmente cerceadas pelos sistemas aos quais estão subjugadas. A vida é uma grande estrada, a alma é uma pequena carroça e a Divindade é o Carroceiro.
Estou com uma vontade enorme de pesquisar profundamente este povoado repudiado pela nossa sociedade presente, creio que eu venha realizar um "laboratório" sério sobre essa cultura e tradição. E graças ao meu querido amigo, tive um insight inebriante, diria até que é uma identificação de almas, pois sinto que minha alma é cigana, e como ela sou uma dilacerante  assídua da liberdade à divagar por esses cantos de mundo. 
 


sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Reflexão

Os blogs são, alguém o disse, lugares públicos de solidão

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Paixão

Não quero um amor remanascente,
Também não quero uma medida de colheradas de açúcar,
Quero esquecer o que já foi...
Me deixa apenas nua, se alimenta de cada vícera minha,
depois me jogue em um jardim qualquer
e lá serei abduzida terra germinante...
Mariana Tatos

Alienação


"Nova ditadura: o chefe avisou que não quer mandar em ninguém e nem dar ordens, o novo ditador deseja que você deseje realizar os desejos dele."
Estamos vivenciando a época da valorização da superficialidade,  esta é tão superficial que chega a se tornar profunda aos olhos de quem consome, pois o consumista não reflete sobre o que adquire, a ele só lhe é interessante o produto final e ponto.
A era da vanglória de redundâncias (forte corrente midiática publicitária, jornalística sensacionalista entre outras) movimento de cultura de repetição fazem com que a massa não tenha percepção crítica. E é interessante perceber que principalmente aqui no Brasil o anarquista hoje é visto como àquele que organiza, (um tempo atrás era um ruptor de conceitos) estando no centro das organizações.
A alienação domina os olhos de que veem, fazendo com que todos sejam pequenos bonequinhos de "vudu" às mãos do governo (nosso patrão) Pois o governo já não governa mais, mas representa a governabilidade, e tem em suas mão o poder, poder de ser ilegal, legalizando-se aos legais.
(não para por aqui)

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Sobre Poetas

  Conheci Roberto Piva através de um documentário que assisti um tempo atrás, e me apaixonei não somente por suas palavras, mas pela vitalidade e energia que o artísta carre em suas palavras... nela, desconstroe a poesia como forma manifesta do sufoco e do despedaçamento do indivíduo na sociedade, rompe com a ordem lógico-frasal reproduzindo o caos da cidade, caos que gera uma desestrutura sensorial vista na afluência do delírio egóico na subjetivação do mundo pela irrupção do inconsciente. E sua poesia tem uma reação niilista contra  o mundo, anseio pela aniquilação presente. Abaixo um dos seus poemas, (um dos meus prediletos)

"A Piedade

Eu urrava nos poliedros da Justiça meu momento
abatido na extrema paliçada
os professores falavam da vontade de dominar e da
luta pela vida
as senhoras católicas são piedosas
os comunistas são piedosos
os comerciantes são piedosos
só eu não sou piedoso
se eu fosse piedoso meu sexo seria dócil e só se ergueria
aos sábados à noite
eu seria um bom filho meus colegas me chamariam
cu-de-ferro e me fariam perguntas: por que navio
bóia? por que prego afunda?
eu deixaria proliferar uma úlcera e admiraria as
estátuas de fortes dentaduras
iria a bailes onde eu não poderia levar meus amigos
pederastas ou barbudos
eu me universalizaria no senso comum e eles diriam
que tenho todas as virtudes
eu não sou piedoso
eu nunca poderei ser piedoso
meus olhos retinem e tingem-se de verde
Os arranha-céus de carniça se decompõem nos
pavimentos
os adolescentes nas escolas bufam como cadelas
asfixiadas
arcanjos de enxofre bombardeiam o horizonte através
dos meus sonhos"

Roberto Piva

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Inspiração


Uma flor singela que aspira tentações de amor...
Um olhar inebriante que força a vista a não querer se desprender...
Você, menina, mulher, doce encantadora, me eleva o espírito as mais altas esferas metafísicas
Me envolve com sua feminilidade e deixa eu render em seus braços, sentir seu cheiro,
seu toque de seda, seu aconchego, seu beijo de mulher...
seja a minha fêmea,
que serei dócil a sua luxuria...faça amor enloquecente comigo,
junte a sua vulva com a minha, encoste seus seios aos meus,
sejamos únicas a libertinagem...sejamos únicas ao amor...
pois ó ele faz rendido a emoção, compreendido ao que não se pode compreender.


Dedicado à Daiane

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Um pensamento

"É o humano descartável diante de processos que evoluíram a partir dele e o ultrapassarão? Na cultura pop, sempre houve hipóteses especuladas pelos subgêneros – como a ficção científica, ou mesmo o terror –, que tratam o homem como coadjuvante de sua própria história. É inquietante ver que elas encontram ressonância em modismos majoritariamente aceitos hoje, como a mania de se explicar tudo pelo DNA ou o endeusamento da tecnologia. O que, e quando, o homem perdeu, que o dilui hoje na condição de um bicho virtual?"
Eugênio Bucci

Busca...


Ultimamente tenho amado de forma viceral...mas uma viceridade efêmera...
imagine comer um doce proibido muito gostoso, raro e que a cada pedaço mordido eleva o espírito ao céu...concomitantemente a mordida vai desfiando o doce...deixando apenas o seu rastro no ar...
Uma entrega de corpos, num emaranhado de ebulição ao amor...um amor longe da ideologia patética aos normais, mas sim um amor feito aos despretensiosos...e esta despretensiosidade tem demasiadamente deixado-me confusa num "eu" escondido com várias reflexões dentro de mim...
E como manter minha ludicidade real da minha mente, equilibrar meus impulsos para não cair em tentação de um platonismo... Sócrates acreditava que o amor é o desejo constante, se algum dia este desejo acabar, o ser "cairá por terra", completando seu pensamento, o  amor não é completude, mas incompletude. Não fusão, mas busca. Não perfeição plena, mas pobreza devoradora.
Seguir freneticamente o hoje e esquecer amanhã para começar tudo de novo e buscar novos estímulos amar a beleza do gesto, saborear o fruto com cuidado para não ser dependente, e nem ser vício vampiresco...  sentir apenas saudades de um tempo que já se foi, amado...talvez Sócrates tenha razão, quero apenas buscar, de forma cinestésica pelo cantos deste mundo terráqueo e procurar, procurar...sempre
e espero jamais encontrar.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

olhar...


Se o medo está dentro, esvai pelos olhos. Nos olhos, mantém-se a dualidade do fogo e da água. Da razão e do sentimento. Da luz e da penumbra. São o órgão do prolongamento de si mesmo e do outro. Que não mente, porque tudo pode mentir, menos o fundo dos olhos. No momento da fusão, da emoção, os olhos  que se transformam no mesmo olhos que são vistos. Por estarem situados na parte superior do corpo, a mais próxima do céu, os olhos sempre forma imaginados como expressões de forças impenetráveis...
(será que realmente impenetráveis assim?!)


quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Letras que digam...


O melhor de mim são as palavras, essas minhas meninas que me aguardam, me preenchem,
me encantam com suas letrinhas semvergonhas, sapecas, salpitantes...
à espera de se espalharem as luzes da minha emoção, do meu encantamento frio,
por horas podendo ser alegres, sofríveis, desencadeando da esfera
da minha lucidez esbranquiçada, são minhas eternas...
Chegando ao encontro tónicos de uma alma que já foi de outros mundos,
minhas pequeninas, fazem de conhecido a minha alma, são as minhas únicas confidentes, minhas amantes... meus saberes que transformam a raiz profana, em meus dizeres...

terça-feira, 6 de outubro de 2009

sábado, 3 de outubro de 2009

Liberdade


Hoje eu acordei bem, não sinto mais nauseas, descubro que não preciso ter, mas apenas ser, e meu ser é sentir...um hedonismo epicurista apenas...o meu Sol desabrocha na vida
A arte de ser é a sabedoria ascética do despojamento: não se cobrir de honras, de dinheiro, de riquezas, de poder, de glória e outros falsos valores ou virtudes, mas preferir a liberdade, a autonomia, a independência. A escultura de si é arte dessa técnica de construção do ser como uma singularidade livre.
E a minha liberdade refere-se apenas a mim, meus valores são os meus limites...não preciso consumir...e de fato eu não consumo absolutamente nada...
E que se fodam o restante, não preciso de vocês, apenas da minha arte, ela sim é meu refúgio, a minha compreensão filosófica, me traz conhecimento de forma não filosófica, apenas experimental... sou apenas um antídoto

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Náuseas II

Estou como Antoine Roquetine...vagando com conversas fúteis do nada para o nada, procuro aventuras num tempo que não existe, estou em desordem no tempo vazio...
sinto nojo de sentir o gosto , enjoo do marasmo do tempo...
to tic tac do relógio...do tempo que não é este tempo, mas um outro tempo suterfugiado aos sensíveis amantes do erotismo, da droga que empregina o corpo, sinto náusea do beijo...nausea do seu pau entrando na minha boceta, no meu rabo...o desejo já se foi....a nostalgia ficou...

domingo, 27 de setembro de 2009

Saudade



Hoje eu acordei com gostinho de saudade...uma saudade saudável, dessas que elevam o espírito a sentir o toque da brisa no rosto, encorajando a alma a seguir seu fluxo pela vida....

Saudades do cheiro de terra queimada levantando poeira aos meus pés descalsos, saudades de contar pedrinhas de gelo no quintal e chupá-las como se fossem sorvetes especiais que caiam do céu em tempos de chuva,(mamãe sempre dizia que era benção de Deus, as pedrinhas eram sagradas) saudades da casinha feita de lençóis e pregadores no quintal da casa de mamãe, Saudades do tempo em que eu realmente acreditava que a praia era no céu. Achava muito mágico quando pegávamos estrada para o litoral e eu ficava olhando as nuvens de um céu celeste, e ficava questionando que fórmula teria em fazer com que as pessoas não caissem do céu...como era gostoso ficar olhando para o céu e ver nas nuvens pessoinhas correndo, dançando, descansando, conversando....
Saudades de caçar formigas, "tatuzinho" juntamente com meus irmãos, e juntos fazer "experiência cirúrgica", muitas vezes levámos bronca de mamãe porque pegávamos "produtos proibidos"(materias de limpeza, alcool, desinfectante, sabonete líquido, entre outros) para fazer uma grande experiência de laboratório....
Saudades de um tempo que o tempo era somente nosso, o tempo em que eu e meus amigos de infância, ficávamos atrás do colégio procurando dentes de leão... e como era gostoso assoprar e ver suas "peninhas" descolando do talo, plainando pelo ar...(sempre mecheu muito com a minha imaginação)
Acho que muitas coisas que vivo hoje, só sinto intensamente porque saberei que sentirei saudades depois...mas não uma saudade de sofridão, mas saudade que meche com a minha alma,
que me impulsiona seguir em frente perante a vida, com o meu coração, seguindo apenas o fluxo dos sopros dos ventos...sem medo, podendo cair em qualquer direção

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Corpo


Corpos ou montante de carnes?? células que a cada minuto morrem, deixando os corpos mais pesados...e ainda penso porque sinto?...por mais louca a minha loucura...eu confesso que preciso sim de amor platônico, (mesmo que por alguns instantes)de envolvimento cinestésico para poder mergulhar com você em uma taça de Cabernet Sauvignon,perceber seu toque na minha pele, sua respiração ofegante no meu peito,
sentir suas mãos se aprofundando nas da minhas entranhas...
Você colocando seu pedaço efêmero em mim, se encaixando num turbilhar paudurescente que provoca choques ao meu corpo...
E o tempo passa...e vou tendo a certeza que LUCIDEZ e FELICIDADE não se combinam...mesmo que estes breves momentos são ilusões de uma frágil alma, mas permite eu degustar que sou viva, sou fêmea, e que preciso ser libertina até perder a consciência...

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Ser



Não existe para mim outra possibilidade de ser...senão, SER INTEIRO.
O maior presente que alguém pode dar para outra pessoa é a sua INTEIREZA.
Quando estamos INTEIROS, estamos COLORIDOS.
Quando estamos COLORIDOS, podemos pintar os que estão em eterno OCRE...
Não há nada mais lindo do que ESTAR INTEIRO...
Mas é preciso CORAGEM...
Pois toda INTEIREZA nasce do RISCO.
ESTAR INTEIRO é se abandonar o tempo todo para que a POSSIBILIDADE nos engravide de SONHOS...
Está INTEIRO, quem não sabe para onde ir....mas VAI.
Está INTEIRO quem RI sem motivo...
Quem conhece o glacê sobre as horas...
Quem não se apavora diante de um DESAFIO...
Para ser INTEIRO, é preciso um bocado de LOUCURA...
Para ser INTEIRO é preciso ser AMANTE...
AMANTE de si mesmo...
AMANTE da obra que escreve...
e da peça que apaga.
É preciso ser AMANTE de quem atravessa o caminho...
Ou simplesmente aparece para partilhar insônias...
É preciso ser AMANTE de alguém ESCOLHIDO...
Ser AMANTE do PRÓPRIO AMOR...
Ser AMANTE do CAMINHO...da JORNADA...
Para ser INTEIRO, é preciso saber dizer NÃO.
Não para as SOBRAS...
Não para as MIGALHAS...
Não para as RIMAS POBRES...
Não para as JANELAS ENTRE ABERTAS...
Não para as PORTAS MAL FECHADAS...
Não para os SANGUE-SUGAS...
Não para sa DOBRAS...
Aquele que é INTEIRO não precisa fingir que INTEIRO é ECOAR SIM...SIM...SIM...
Se sabe INTEIRO e não precisa que ninguém torne REAL sua "INTEIRIDÃO"...
Ser INTEIRO é o melhor PRESENTE que podemos dar a alguém, pois não há nada melhor do que o REFLEXO da INTEIREZA perdida na pupila de quem nos MIRA...
E nos mira assim: OLHANDO DENTRO DOS OLHOS...
E para você, eu sou INTEIRA...
E sabe o por que?
Pois para mim, EU SOU INTEIRA...
E por que , por mim...você FOI ESCOLHIDO...

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Sobre tempo


Uma folha cai de uma árvore ao mesmo tempo que um gato pula da janela para pegar um rato, ao mesmo tempo que uma senhora coloca água no fogo para fazer café, ao mesmo tempo que o corpo de bombeiros socorre alguém em feridas, ao mesmo tempo que um tornado avança na costa da Califórnia, ao mesmo tempo que uma mãe dá de mamar ao seu primeiro filho, ao mesmo tempo que crianças brincam soltas num parque qualquer, ao mesmo tempo que o verão esta à trinta graus em São Paulo, ao mesmo tempo que cai neve em Londres...
O tempo é assim, presente em todos os estados, unipresente em todas as ações mais diversificadas possíveis, deste mundo material (se assim é permitido falar)e mais irônico que seja, ele também é ausente...

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Amamos, choramos, sofremos porque brigamos o tempo todo com o nosso ego, mas um dia acordamos e descobrimos que a vida é apenas uma passagem de contos, histórias de carochinhas, poesias concretas, poesias sentidas...
descobrimos a arte do encontro, desencontros, da beleza, da natureza,
e por ela permeamos pela natureza do simples desejo de espírito, por onde cada um faz parte da grande plenitude deste mundinho misterioso que complementa este "nós" seres humanos...
e o mais gostoso é descobrir que de fato podemos sempre amar de diversas formas, sentir diversos odores, podemos gozar diversas maneiras diferentes,
nascemos para vivenciar a plenitude do sentir...
Não quero ser livro de "auto ajuda",
quero apenas experienciar..viver...sentir saudades no fim da tarde , e esquecer para vivenciar um novo dia....

domingo, 13 de setembro de 2009

Falando de sexo...


Ela na ponta dos pés. Ele avançando o peito. Ela sem entender como ele imobilizou suas duas mãos com apenas um braço. Ele pressionando o abdômen, colando as pernas, travando o pescoço, puxando o cabelo. Ela asfixiada, querendo ao mesmo tempo fugir e ser pega. O que fazem suas bocas, línguas e lábios, isso não importa.


O sexo acaba quando paramos por um copo de água? Massagem é preliminar? Mas e se eu uso uma extensão do meu corpo para massagear dentro do corpo dela/dele? “Não faça sexo sem camisinha”, dizem algumas campanhas. Aliás, o uso de preservativos talvez seja o principal responsável por acreditarmos que o sexo tenha um começo e um fim:

“O mais extraordinário instrumento de controle sobre a vida sexual foi produzido pela Aids, e isso é uma coisa que se fala muito raramente. Tudo bem, camisinha é legal e obrigatório, por mais que o Papa ache que não. O problema é que a maneira de transar mudou completamente. Com camisinha, primeiro você tem que ter uma ereção, depois coloca, depois penetra, depois tem que ficar até gozar, depois tira e joga fora e aí acabou e cada um vai tomar banho. Mas antes disso transar era ficar ali por 20 minutos, pára, bate um papo, toma um café, se beija, se chupa, explora… era uma dinâmica completamente diferente. A relação com o corpo do outro era completamente diferente. As relações sexuais se tornaram caretas e pragmáticas.” –Contardo Calligaris

Você pode estar com alguém à papear num bar , bebendo drinks, mas o fato é que suas glândulas sudoripas estarão produzindo os mais "venenosos" sulcos do prazer do instinto animal da conquista , da sedução, isso sem falar nas ocitocina, vasopressina, acetilcolina, epinefrina e serotonina espalhando freneticamente ao seu corpo...
ou seja você já está transando, troca de olhares com pupilas dilatadas, nuances molduladas no timbre de voz , pele ganhando aparência viscosa e rubra, sem falar também na endorfina, que é tão abrangente que faz com que se salive mais, deixando sua boca sempre semiaberta (inconsciente) com a pretenção de caça ao alimento.
Você pode passar a noite toda a setenta ou a dois centímetros de distância. Você pode colocar sua língua dentro da boca dela (dele). Você pode tirar a roupa ou não tirar nada. Pode fazer sexo anal ou apenas massageá-la(lo). O que importa é que você se relaciona com ele(ela) Em vez beijo e sexo, há incontáveis modos de relacionamento, interfaces de contato, profundidades de toque.
Sendo que a penetração é apenas uma consequência.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009


Tenho um amigo que sempre me diz: Mari, vc pensa como homem, cara! suas idéias são loucas e despretensiosas...

Oh! mas hoje eu acordei com a alma feminina...
minha despretensão é pretensiosa
ânsias de emoção se afloram dentro de mim
fazendo brotar a vontade de ser mulher,
minha pele hoje está morna, meus pelos estão
estão em busca de um toque quente e sedoso...
Hoje quero ser apenas carregada no colo e ser
menina...

Eis a questão...


O problema do cepticismo. Será que existe algum conhecimento imune à dúvida? Teremos razões para acreditar nas coisas mais básicas em que acreditamos, como na existência de outras pessoas e na existência de mundo exterior?

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Hoje

O que é a vida se não uma arte de encontros??
Gosto sim, ser colorida, pois as cores me transformam, crio e recrio em arte,
ah..como adooro viver tudo isso, ser simplesmente uma cinestésica a mergulhar no mares
deste mundinho humano...
hoje estou simplesmente feliz...

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Um Pedido I

Nada de "Eu te amo" e mesquinharias similares, a não ser que a vazão desse sentimento não me custe a minha cara, preservada e paparicada Liberdade. Não confundamos o costume e a tradição da monogamia e do amor erótico romântico e cristianizado com o "amor natural". O amor insinuado pela ideologia dominante, e do qual raros verdadeiramente se safam, desgasta o prazer, desfaz a amizade, cosome a autonomia, implica a lucidez, faz a liberdade lembrança e a individualidade nostalgia.
Só lhe peço para não adoecer minha existência, não atrofia o meu corpo para um capricho seu vampiresco...não me veja como metade, não me peça em casamento, somente me faz gozar com seu erotismo, me toque com sua solidariedade...sim é o que quero e nada mais além,

Meus amantes somente vos suplico...só quero viver da única forma mais humana...da forma mais suportável...

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Singelo


Simples assim....
Sem apologias ...
Sem demagogias....
Sem intenções...
Somente vivendo...
Simples assim...
Sem fanatismos...
Sem idealizações...
Sem moralismo...
Sem culpas...
Simples assim...
Sem arrenpedimentos...
vivendo constantemene...
vivendo intensamente...
O hoje , aqui , agora
é tudo tão simples....
inteligível a eloquência
da vida...
oras somente ser...
tudo é simples...
apenas viver
e amar sem pieguices
felicidade atual
felicidade futura...
Amar livremente..
Nascemos para sermos livres
livres simplesmente
Pois oras, tudo é tão simples
Seres inteiros...
Seres vivos...
Seres metafísicos...
Sem Egos...
Sem reclusões..
Sem privatizações...
Sem Hipocrisia ...
Apenas ser
Voar Alto...
Sem Burocratizações...
Apenas ser
Simples assim.

domingo, 16 de agosto de 2009

Energias

Tudo é uma questão de escolha, você pode levantar da cama e escolher em passar o dia todo mal humorado ou sorrir (mesmo nos dias nublados)o problema é até quando não ser iludido e tachado por uma carinha SMILE....Enganar a si mesmo, por achar que tudo está tudo bem, quando de fato não está...mas será que pensar ou acreditar que estar, de fato não ajuda? Seres humanos são os animais mais frágeis da face terrena, precisam de um certo endeusamento místico para sentirem confortados...mas o que vai além do conforto??Tenho um amigo que me chama de POLIANA, me acha capaz de encontrar alegria em qualquer coisa, de "dar um jeitinho" mesmo nas que não dão certo, sempre pensando positivamente, que oculto uma realidade crua, sólida e cruel.Mas será que de fato a vida é realmente cruel? Nascer num berço de ouro, ou numa miséria, qual a diferença faz ? Por ser um animal frágil a natureza, o ser humano é o único com capacidade de mudar o seu redor, o seu meio de convivências, penso que cada um tenha algum objetivo ou meta, carma ou qualquer coisa que denomina discernimento na vida. E uma coisa é certa sendo positiva ou negativa, somos energia cinética ou seja, drogados, vão andar somente com drogados, senhorinhas que reclamam de suas “dores “ do mundo andarão com outras senhoras, cada tribo com o seu ideal, com suas afinidades,Se vivemos num mundo de ilusões e abstrações, porque não pensar positivamente neste mundo? Porque seriamos egoístas de outrem? Se eu sou corpo/ mente e vivo num estágio transitório, crio, recrio, invento e reivento de forma que seja leal , presente e real a mim, sendo Poliana ou não, vivendo apenas o presente, e isso vai além de ser positivo ou negativo, atinge o grau metafísico,eis então apenas energia...

domingo, 9 de agosto de 2009

Face


Me embalam almas adormecidas

no meu corpo,

me favoreçam enquanto sonhadora,

pois sou o que sou,

nada mais além,

não possuo necessidade, embora me chamam de meretiz,

do real a linguagem humana, sou a faculdade plena...

me embalam apenas o volume da cada sina presente

poi sou gozo tântrico...


Mariana

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

De

Vejo realidade "virtual"...nada esta escrito, nada parece ser o que é...criamos, conjugamos ilusões dogmáticas que servem como subterfúgio da consciência...
Outro dia senti uma felicidade enorme ao perceber que um simples gosto de sorvete de menta com chocolate na minha língua me dá tanto prazer e gozo como sentir um orgasmo de uma boceta quente, penetrando nas mais profundas raízes metafísicas... e essa consciência da consciência às vezes me faz sintir estranha aos demais... um extraterrestre que persiste em sentir diniosicamente o sabor e o cheiro da vida. E me questiono constantemente porque outros ETs não degustam, ficando apenas à merce de deglutir pedregulhos pesados de farinha insonsa...

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Arre!!


Temporariamente fora do ar...ou fora da terra, fora do eixo,fora da lucidez, fora da razão, fora do nada, fora da sociedade,fora da bolha,fora das quatro paredes, fora do ciclo....fora de função, fora da realidade abstrata, fora da realidade concreta. Estou fora de mim mesma...como uma incógnita vagando pelos matos insonsos do meu eu, andando feita matuta dilacerante....Estou simplesmente fora de conexão com o mundo real ou irreal....Me sinto cansada...profundamente...

terça-feira, 28 de julho de 2009

Pi

Só me ame bem baixinho...
nas nuances de amor presente,
com ardor fluorescente,
onde o concreto derreta
como chocolate no
paraíso de menininho...

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Cúmplice

Do seu simples afago, palavras vivenciadas, narradas ao pé do ouvido que me lembra historinhas de carochinha, ao conto de encontros triviais de uma vida presente. Vida desmarcada pelo tic tac do relógio, sendo apenas submersa no sentimento do coração...

Ganhando a minha admiração de sua liberdade,

não esta escrita nos livros de história, ou em algum ponto de filosofia,

mas sim a que vai de linguagem de almas para almas....

Você me renasce dentro de mim uma moça, criança, mulher, uma poesia cinestésica...

elevando a minha lucidez na mais perdida inocência,

fazendo que tudo se torna mais brilhante, mais gostoso,

e o melhor de tudo,

Uma reciprocidade transporta de alma para alma,

transformando o tempo num tempo eterno


sábado, 18 de julho de 2009

Somos Bissexuais


Segundo a Psicanálise, todos nós somos bissexuais. Nascemos com determinados instintos cujo processo de socialização reprime. Ser homossexual, heterossexual ou bissexual, são rótulos que aceitamos em nome de regras, normas que nos são impostas por uma uma sociedade castradora. É preciso pensar que, acima de tudo, o ser humano é apto e capaz de amar e ser amado se estiver aberto para tal, independente do sexo que a pessoa possua.

Quando o ser humano aprenderá de fato amar sem ser condicionado a ilusões de "amores platônicos"?

domingo, 12 de julho de 2009

Cristal

Catedral imensa e silenciosa dentro de mimo átrio repousa como um enorme crocodilo.Águas calmas e cristalinas...o regato frio.A víbora desliza entre galhos e folhas mortas,vai alimentar-se de pássaros.Alguém me escuta e me chama e me diz: Cuidado!Nem sei quem é este alguémou eu por perto.Disseminei alguma semente muito antes da hora.Brotou voraz uma planta atroz que me devora.E mesmo correndoporque há pressa,não chego a tempo.Quebraram-se os relógios em meio ao pranto.As esmeraldas inatingíveis...meu quarto.Choverá torrencialmente na noite do parto.Serão águas do Norte,enxurradas.
- Adonis K

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Impossibilidade de Amor Fati


Num emaranhado turbulento metropolitano, onde uma sociedade obscura, parasitária, de vidinhas ordinárias materialistas, condicionadas nas mesmices tolas monótonas diárias, eis que surge você! Propriamente você num todo só seu, reluzente, omnipresente por 12hs a um hemisfério, transparecendo cores extasiadas diversas em todos os dias da rotação Terrena...energizando convite sedutor aos homens a sua natureza real, ou real natureza, metafísica ou translúcida...Enquanto o tempo passa, sua órbita vai se deslocando, me inquieta uma dúvida pertubadora ...quantas vivências e percepções ilusionárias necessita para a desnudez de conscîencia humana?

Náuseas I


Um segundo... apenas um segundo de eternidade ou tempo em vastidão de monotonia do amanhã? ...não!! Antes olhar um oceano e se embriagar por um segundo...do que a insipidez das longas horas do nada.

terça-feira, 30 de junho de 2009

Lírico

Minha autonomia metafísica se aflora quando pinto, penso, exponho meu modo, revelo minhas unhas, cabelos, pescoço, pés, virilha, vagina...
Do cheiro Ocre, se origina a mais pura libertinagem, a maçã doce se mescla com a madeira enclausulada dentro de mim.
Minha boca, é apenas um objeto do meu corpo, minha desgustação é obscura, sinuosa,
enigmática.
Reivento formas, trilhas, oráculos místicos dentro de mim.
Me restando ser apenas absoluta, sou apenas eu.
Meu mundo imaginário

pensamentos

Um tempo atrás me sentia como um "peixinho fora d'água" perante algumas pessoas em minha volta,e algumas situações no qual eu encontrava, me via diferente, como uma menina que sempre tinha um "outro olhar",ou a menina "esquisita" ou a menina "doidinha"... daí o tempo foi passando, e idéias que eu já tinha só amadureceram.(ao menos a mim)
Hoje vejo que não sou eu que vivo fora "d'água", mas sim as pessoas que não sabem "nadar"... Vejo seres humanos que vivem num mundo de ilusões materealistas, que são arraigados de valores mesquinhos, e meio que paradoxal , vejo "pessoas vegetos", a navegarem num mar de ilusões.

pi

Basta-me!!
Sou louca sim, pervertida,
uma ordinária...
Me olhem torto, me estranhem,
pois o que quero é sexo selvagem....
ahahaha

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Corpos

Por Mariana Tatos

Bolhas de cristais letais percorre entre
idas e vindas...
Inércia pecorrendo pelos corpos
escravizados de um tempo que já se foi...
Nos córregos, os ecos já se foram diversas formas...
A efusão do instante já passou
somente estagnação ficou presente.

domingo, 28 de junho de 2009

Angústia

Dia quente, frio, morno,
não me interessa mais o grau que mede o termosato
não quero saber nada mais,
o tempo é inerte lá fora,
as flores mucharam e secaram na estação
glacial...
o que o me tens a oferecer?
basta me apenas o silêncio,
quarto somente o silêncio de um ponto.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Dar

Dar não é fazer amor.
Dar é dar.
Fazer amor é lindo, é sublime, é encantador, é esplêndido.

Mas dar é bom pra caramba. Dar é aquela coisa que alguém te puxa os cabelos da nuca...
Te chama de nomes que eu não escreveria... Não te vira com delicadeza...
Não sente vergonha de ritmos animais.
Dar é bom. Melhor do que dar, só dar por dar. Dar sem querer casar...
Dar porque o cara te esquenta a coluna vertebral... Te amolece o gingado...
Te molha o instinto.
Dar porque a vida é estressante e dar relaxa.
Dar porque se você não der para ele hoje, vai dar amanhã ou depois.
Têm pessoas que você vai acabar dando, não tem jeito.

Dar sem esperar ouvir promessas, sem esperar ouvir carinhos, sem esperar ouvir futuro.
Dar é bom, na hora. Durante um mês. Para os mais desavisados, talvez anos.

Mas dar e dar demais é ficar vazio. Dar é não ganhar.
É não ganhar um eu te amo baixinho perdido no meio do escuro.
É não ganhar uma mão no ombro quando o caos da cidade parece querer te abduzir.
É não ter companhia garantida para viajar (isso é uma merda).
É não ter para quem ligar quando recebe uma boa notícia (isso é uma merda).
Dar é não querer dormir encaixadinho. É não ter alguém para ouvir seus dengos... (isso é uma merda).
Mas dar é inevitável, dê mesmo, dê sempre, dê muito.

Mas dê mais ainda, muito mais do que qualquer coisa, uma chance ao amor.

Esse sim é o maior tesão. Esse sim relaxa, cura o mau humor, ameniza todas as crises e faz você flutuar .

Experimente ser amado...

Luiz Fernando Veríssimo

Degusta-me

Das simples conversas informais surge um encontro...
Uma hora marcada, uma estação de metrô... meus pulsos se aceleram freneticamente a sua espera, meus pensamentos libertiniosos, soltos... será que as nossas energias se combinarão? Será que gostará de mim? Gostará do meu perfume? Do meu jeito de ser? Será que eu gostarei dele?...(Arre!! respira fundo menina, calma....isso, continue assim, mantenha a mente tranqüila...) Bom, cheguei cinco minutos antes, só aguardar...
De repente uma estrela aparece... luzindo toda a minha curtis, e aquecendo o meu coração. Fico meio tímida e sem jeito de me expressar, mas uma coisa é certa, as nossas energias se combinam (eba! o mesmo universo...)

Roupas descontraídas, um boné, tênis, perfume, uma voz maravilhosamente agradável, papo contagiante e estimulante...ah...e o melhor de tudo, seu sorriso...

A rua em passos desconcertantes, o frio cortando a espinha...e...um singelo beijo, adolescente, doce, meigo, ardente....Papos descontraídos, despreendidos, linguagens na arte, e uma porta aberta a entrada ao Universo Paralelo....

Você me entorpece calando os meus sentidos, me aquecendo para não sentir mais frio, fazendo-me menina mulher em seus braços.
E assim, acabamos desencadeados ao tempo, a noite sendo nossa melhor amiga...
o amanhecer sendo sorridente, cúmplice a outrora de nós dois...(e tudo com direito a um café numa padaria de esquina)
E minhas mãos, não ficaram mais gélidas, ficaram sedosas com o seu toque extasiante...
e tudo do simples encontro se tornou apenas, gostoso...
O que eu mais gosto em vc...sua singularidade, seu sorriso maroto, sua simplicidade, sua particularidade ímpar.
Congela o teu sorriso com o meu, brinda comigo a dança descompassada da vida...Bagunça o meu cabelo com a ponta dos teus dedos, redesenha a minha boca com a ponta da tua língua...Faz-me tua todos os segundos intermináveis do tic tac do relógio...Deixa o teu corpo ser o meu corpo e o meu corpo ser o teu corpo até ser humanamente impossível resistir a delicia que é ser só nós dois...