Páginas

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Busca...


Ultimamente tenho amado de forma viceral...mas uma viceridade efêmera...
imagine comer um doce proibido muito gostoso, raro e que a cada pedaço mordido eleva o espírito ao céu...concomitantemente a mordida vai desfiando o doce...deixando apenas o seu rastro no ar...
Uma entrega de corpos, num emaranhado de ebulição ao amor...um amor longe da ideologia patética aos normais, mas sim um amor feito aos despretensiosos...e esta despretensiosidade tem demasiadamente deixado-me confusa num "eu" escondido com várias reflexões dentro de mim...
E como manter minha ludicidade real da minha mente, equilibrar meus impulsos para não cair em tentação de um platonismo... Sócrates acreditava que o amor é o desejo constante, se algum dia este desejo acabar, o ser "cairá por terra", completando seu pensamento, o  amor não é completude, mas incompletude. Não fusão, mas busca. Não perfeição plena, mas pobreza devoradora.
Seguir freneticamente o hoje e esquecer amanhã para começar tudo de novo e buscar novos estímulos amar a beleza do gesto, saborear o fruto com cuidado para não ser dependente, e nem ser vício vampiresco...  sentir apenas saudades de um tempo que já se foi, amado...talvez Sócrates tenha razão, quero apenas buscar, de forma cinestésica pelo cantos deste mundo terráqueo e procurar, procurar...sempre
e espero jamais encontrar.

Um comentário:

  1. Lindo!!!
    Saiba que vc é especial.
    Parabéns pelo seu jeito simples e inteligente de ser.

    Beijos

    Paulo

    ResponderExcluir