Páginas

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Um Pedido II


Não se apodera de mim deglutindo as minhas víceras,
até porque elas não me pertecem, apenas são
Só é permitido arte, arte ondulares, embaladas penetráveis, amante da cor e da dor.
Abrasivo ácido somente aos metais, sou feita de pele, carne, gordura, osso,
de um tempo cheirarei estrume
Deixe a fonte de luz somente aos vagalumes
Só é permitido ondas dos mares,(dessas que vem e vão)
mãos em minhas nádegas, cheiros indecifráveis,
Desejo demasiado atrofia o corpo, causa artrite, osteopore, longe de mim os "cão guia"
Que o devir seja a minha, a nossa melodia,
seguindo o rítmo de cada estação dia-a-dia
com proezas loucas de tesão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário